Oficina: faça o seu minhocário doméstico !
19 de maio de 2016
Retrospectiva e Masterclass do Diretor Francês Philippe Le Guay
4 de junho de 2016
Mostrar todos

Exposição: Força e Fragilidade, as árvores também sentem dor – Cecilia Alvarenga

Quando:


Data: 18/05/2016 - 08/06/2016

Horário: Horário flexível

Sobre:


UM GRITO DE ALERTA CONTRA O CORTE DE ARVORES EM BELO HORIZONTE

“Seus troncos presos por grades e cercas opressoras, as árvores estão amedrontadas, temem seu inimigo maior, a motosserra, cujo barulho assustador tem a cada dia suplantado a melodia dos pássaros. As árvores choram na capital, juntamente com seus habitantes humanos e não-humanos. O clima cada dia mais quente, as doenças cada vez mais presentes. A Serra do Curral que cerca a cidade já tem dono. A chaga já doía em nosso poeta maior na década de 60, Carlos Drummond de Andrade. O grito “Delenda est Carthago” (destruam Cartago) proferido em tempos romanos remotos ecoa na atualidade nos quatro cantos da nossa cidade. A nós nos resta a morte lenta, agonizante, de um belo horizonte”.

Marimar Jordá Poblet e Sávio Leite – Rede Verde, Maio de 2016

Popcard

Os fícus centenários da Avenida Bernardo Monteiro estiveram no coração de polêmicas ambientais nesses últimos anos. A infestação pela mosca branca dos fícus, a demora nas respostas e pouca eficácia dos tratamentos propostos levaram à morte de grande parte das árvores.

A série de fotografias de Cecilia Alvarenga faz um paralelo entre imagens de árvores saudáveis, imponentes e belas, com imagens impactantes das árvores devastadas pela praga da Mosca Branca. Está aqui proposta uma homenagem a esses “entes” muitas vezes impressionantes, mas que, mesmo assim, passam frequentemente despercebidos aos nossos olhos. Desmatamento, descaso, poluição do meio ambiente… são atitudes do homem que agridem as árvores, e por serem seres vivos, a exposição busca representar atitudes e sentimentos como reação ou conseqüência desses comportamentos insustentáveis.

Popcard #2

A exposição de Cecilia Alvarenga conta também com o empenho de associações meio-ambientais de Belo Horizonte como a Rede Verde e Leite Filmes: é como um grito de alerta. Chega de cortar as árvores! Chega de substituir o verde por cinzento. É necessária uma reflorestação de Belo Horizonte. Na inauguração da exposição de Cecilia poderemos também contar com a participação especial de Oraculoproject, que apresentará uma instalação vídeo marcante, “árvores sangrando”, na abertura da exposição.

Por fim, serão feitas plantações durante a inauguração da exposição de Cecilia Alvarenga, criando uma horta no meio da galeria. Essas plantações serão o primeiro passo para a criação de jardins urbanos comunitários, oficinas de horta urbana e outros eventos especiais nas próximas semanas.

SOBRE CECILIA ALVARENGA

Sempre apaixonada pela fotografia, Cecilia Alvarenga fez em 2012 o Curso Completo de Fotografia da Escola de Imagem de Belo Horizonte, com a duração de 1 ano.

Em 2013, participou do Concurso Cultural Nacional ANABB de Fotografia, ganhando o primeiro lugar na categoria Paisagens. Neste mesmo ano participou do Concurso Fotográfico DescubraMinas.com / SENAC – Gastronomia Mineira, Patrimônio do Mundo, ganhando o prêmio do segundo lugar além de duas menções honrosas na categoria câmera digital.

Em Outubro de 2014, fez sua primeira exposição individual – Abstratas Reflexões, na Maison Escola e Galeria de Arte, em Belo Horizonte, com 33 fotografias abstratas.

Rede verde 

SOBRE A REDE VERDE

A Rede Verde emerge em Belo Horizonte através da conexão entre diversos movimentos ambientais, sociais e culturais que envolvem ações colaborativas e coletivas pela defesa da Mata do Planalto, do Parque Jardim América, dos Fícus da Bernardo Monteiro, da Serra do Gandarela, do Parque Lagoa Seca, da Região do Isidoro e das demais áreas verdes da cidade que atualmente estão ameaçadas pelo Projeto de Emenda à Lei Orgânica (PELO) de Belo Horizonte, que propunha mudanças nas regras de ocupação das áreas verdes da cidade.

O objetivo principal da Rede é unir os movimentos ambientais, sociais e culturais que compartilham o desejo radical de defesa da natureza urbana e de todo verde que garanta qualidade de vida nas metrópoles.

 Segue a Rede Verde no Facebook.

OP

SOBRE ORACULOPROJECT 

O Oraculoproject começou a acontecer em 2010, partindo da necessidade de expulsar os sentimentos de indignação e se baseando em poesias, ideologias e visões de um mundo melhor, a fim de fazer a diferença, seja ela qual for.

Uma das principais causas abordadas pelo projeto é o tema das “árvores sangrando”.

Nos últimos 18 meses, foram pintadas 388 árvores, ou seja, 388 árvores a mais para o projeto… O que infelizmente significa 388 árvores a menos no planeta que habitamos:

  •  7 em Nova Iorque,
  • 11 em Berlim,
  • 5 em Londres,
  • 2 em Amsterdã,
  • 1 em Paris,
  • 5 em Miami,
  • 3 em Nova Jersey,
  • 12 em São Paulo,
  • 22 em Belo Horizonte,
  • 320 na cidade do Rio de Janeiro.

Segue o Oraculoproject no Instagram e Facebook.

———————-

A exposição faz parte do projeto Alianças vivas.

Abertura dia 18 de maio, 19h – Visitação até dia 8 de junho.


 

Interessado(a)? Fale conosco

Sua mensagem